Agenda da Biblioteca | 27 a 31 de janeiro 2014

Agenda da Biblioteca Escolar

27 a 31 de Janeiro | 2014

27 a 31

Exposição bibliográfica | Dia Internacional em Memória às Vítimas do Holocausto

Exposição sobre Aristides de Sousa Mendes

Filme – Aristides de Sousa Mendes – O Cônsul de Bordéus – nova aquisição

29, 17h15

Palestra de sensibilização ao Modelo de Intervenção Precoce

SNIPI  | ELI Coimbra | CRTIC Coimbra

30

13h45 – 15h15

Alves Redol – Biografia e leitura do conto “A vendedeira de figos”

Área disciplinar de Português | 8.ºE

15h15- 17h00

Alves Redol – Biografia e leitura do conto “ A vendedeira de figos”

Área disciplinar de Português | 8.ºB

31, 10h15-11h00

Palestra sobre os Direitos Humanos

E.E. da turma do 5.ºB – Olga Baranovscaia

Formação Cívica | 5.ºB e 5.ºD

 

A equipa da BE

27 de Janeiro | Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto

Diapositivo1

 Dia Internacional em Memória do Holocausto – Aprender com o Passado, Ensinar para o Futuro. Este webinarconstitui uma iniciativa de evocação do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto que anualmente se comemora no dia 27 de janeiro, convidando as escolas a associar-se a esta evocação. Aborda o seu significado e atualidade, bem como a importância do seu ensino. Neste contexto, são apresentadas sugestões de acesso a informação atualizada e a novos recursos didáticos, como contributos de apoio ao ensino do Holocausto, tema obrigatório expresso nos programas e metas curriculares de diversas disciplinas do currículo dos ensinos básico e secundário, em especial na disciplina de História, no sentido de permitir aos nossos alunos uma aquisição de saberes significativos e o desenvolvimento de capacidades e atitudes de responsabilidade, de respeito e de tolerância no quadro dos Direitos Humanos. Owebinar apresenta, ainda, a Memoshoá – Associação Memória e Ensino do Holocausto, destacando os seus objetivos, atividades desenvolvidas e projetos em curso.

Esther Mucznik
Esther Mucznik
É Vice-Presidente da Comunidade Israelita de Lisboa (CIL) e fundadora, em 1994, da Associação Portuguesa de Estudos Judaicos. Presidente e fundadora, em 2008, da Memoshoá – Associação Memória e Ensino do Holocausto e membro da Comissão Nacional de Liberdade Religiosa. Estudiosa das questões judaicas, tem coordenado cursos e seminários sobre história e cultura judaica e publicado numerosos trabalhos sobre estas temáticas, entre os quais “Grácia Nasi, A judia portuguesa do século XVI que desafiou o seu próprio destino”, e “Portugueses no Holocausto”, ambos na editora Esfera dos Livros, respetivamente em 2010 e 2012. Foi também co-coordenadora do Dicionário do Judaísmo Português, publicado em 2009 pela Editorial Presença.

Ricardo Presumido
Ricardo Presumido
Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e Pós-Graduado em História Contemporânea pela mesma Universidade. Membro do Núcleo de Investigação Histórica, Os Fazedores de Letras, participou nos projetos de investigação sobre Memória da Imprensa Estudantil Universitária e Dicionário do Centenário da Implantação da República. É professor de História do Ensino Básico e Secundário, Vice-Presidente e fundador, em 2008, da Memoshoá – Associação Memória e Ensino do Holocausto e investigador nas temáticas da Segunda Guerra Mundial e Holocausto.

 Visitem as Exposições e conheçam ou revisitem os livros e filmes que as as duas Bibliotecas dos 2.º e 3-º Ciclos possuem sobre esta temática.

Na escola sede está patente um exposição sobre Aristides de Sousa Mendes, além de livros e filme –  Diplomata português que durante a II Guerra Mundial salvou mais de 30.000 vidas da perseguição Nazi, em 1940, no que é considerado como a maior acção de salvamento empreendida por uma pessoa individual. 

A história que se segue é para que nunca nos esqueçamos e para que aprendamos com o passado e construamos um Futuro melhor.

Queria voar como uma Borboleta | Memórias de uma infância durante o holocausto – A história de Jana Gofrit

A Forma Justa

Sei que seria possível construir o mundo justo
As cidades poderiam ser claras e lavadas
Pelo canto dos espaços e das fontes
O céu o mar e a terra estão prontos
A saciar a nossa fome do terrestre
A terra onde estamos — se ninguém atraiçoasse — proporia
Cada dia a cada um a liberdade e o reino
— Na concha na flor no homem e no fruto
Se nada adoecer a própria forma é justa
E no todo se integra como palavra em verso
Sei que seria possível construir a forma justa
De uma cidade humana que fosse
Fiel à perfeição do universo

Por isso recomeço sem cessar a partir da página em branco
E este é meu ofício de poeta para a reconstrução do mundo

Sophia de Mello Breyner Andresen  (1919-2004)

In “O Nome das Coisas”

22 janeiro de 2014 | Os Lusíadas na voz do Ator e Encenador António M. Fonseca

No desenvolvimento de um projeto estabelecido com o Teatrão (OMT) realizou-se hoje, 22 de janeiro, mais uma apresentação da obra “Os Lusíadas” destinada aos alunos do 9.º ano. A primeira apresentação teve lugar no dia 7 de janeiro, na EB 2,3 Dr.ª Maria Alice Gouveia. Desta vez, a obra épica de Luís Vaz de Camões esteve na Biblioteca Escolar da Escola EB 2,3 de Ceira também pela voz do ator e encenador António Fonseca que entoou, em “falação” constante, excertos desta obra identitária de Portugal, introduzindo, de permeio e em diálogo com os alunos, comentários por vezes de forma satírica e humorística, além de referências reveladoras e esclarecedoras dos significados e da contemporaneidade de “Os Lusíadas”, com um sorriso encorajador a novos sentidos. Foi uma manhã em que se aprendeu, refletiu e sorriu e em que até o desafio de oferecer um pouco de “Os Lusíadas” para os encarregados de educação foi efetuado pelo ator. No final, realizou-se uma sessão de autógrafos.Esta atividade foi o resultado da articulação entre a área disciplinar de Português e a Biblioteca Escolar.

unnamed

Elisabete Jacinto | Preparação para o Encontro no dia 20/02 | Turmas 7.ºA e 7.ºB

Encontro com Elisabete Jacinto

No próximo dia 20 de fevereiro as turmas dos 7.ºA e 7.ºE vão estar presentes num Encontro com a piloto portuguesa de todo-terreno Elisabete Jacinto na Escola Básica e Secundária da Quinta das Flores no âmbito de uma parceria existente entre as Bibliotecas Escolares das duas escolas.

 

 Biografia de Elizabete Jacinto

 Elisabete dos Santos Marques Jacinto  nasceu no Montijo8 de Junho de 1964. É uma piloto portuguesa de todo-terreno, com várias participações no ”Dakar”, entre 1998 e 2009. É professora de Geografia, autora de manuais escolares.

É co-autora da BD “Os Portugas no Dakar” que nos conta de uma forma humorística e em dois volumes ilustrados por Luís Pinto Coelho : o 1.º (2003 – Livro recomendado para o 5.º ano de escolaridade, destinado a leitura autónoma) pretende imortalizar as participações de todos os portugueses que se aventuraram de motor no maior rali do mundo, o mítico rally Paris-Dakar.

PORTUGAS 1

O 2.º (2007) dá-nos a conhecer os factos que mais marcaram a participação de cada um destes pilotos, demonstrando o espírito aventureiro e determinado dos pilotos portugueses. Ficamos também a conhecer alguns dos factos mais marcantes da carreira de Elisabete Jacinto, única mulher portuguesa a participar de moto neste rali.

LER MAIS

Esta obra, em dois volumes, conta-nos as primeiras participações dos portugueses no rali Paris-Dakar entre 1991 e 1994. Entre 1995 e 1997, apenas José Megre fez uma aparição esporádica (1995) enquanto Paulo Marques e Bernardo Vilar mantêm uma presença assídua. Em 1998 inicia-se uma nova onda de estreantes onde se destacam Elisabete Jacinto, Carlos Ala, Miguel Farrajota, Ricardo Leal dos Santos e também Mário Brás e Pedro Machado. Mostra o outro lado do rally, aquele que passa à margem dos interesses jornalísticos e que está muito para além das tabelas classificativas, da magnitude das paisagens e da grandeza do deserto. É o verdadeiro Dakar vivido por dentro, as condições de participação, as aspirações, os anseios de cada piloto, os sentimentos e o desespero de quem conduz a moto até ao limite das suas forças, as façanhas de um modo de vida improvisado diariamente. São as histórias dos pequenos problemas que deixam marcas profundas em quem as vive… cuja superação conduz à vontade irresistível de voltar.

Em 2008 esta obra recebeu o prémio de Melhor Cartoon Nacional nos VI Troféus Central Comics, na Casa da Animação, no Porto.

Portugas 2_ELISAB JACINTO

Publicou em 2010 o livro “Irina no Master Rali”, também pela Plátano Editora. Trata-se de uma história de ficção baseada em factos reais concebida para os jovens que vibram com aventuras realizáveis e não apenas imaginadas. Para além das divertidas peripécias vividas pela jovem Irina em países desconhecidos onde se desenrola o Master Rali, esta obra revela-nos também os segredos de uma modalidade desportiva que é muito familiar à autora, o todo-o-terreno. Ao longo do texto, Elisabete Jacinto põe em destaque toda a sequência de emoções resultantes da construção de um projecto ambicioso, do qual sai sempre vencedor quem o vive, nem que seja apenas através da sua leitura. Qual terá sido a origem desta aventura?

IRINA NO MASTER RALI

EJ_MOTO

Elisabete Jacinto fez a sua estreia como piloto de competição de todo-terreno em moto, em 1992, ao participar no Grândola 300 com uma Suzuki DR 350, que não terminou devido a uma queda. Ao longo desse ano participou em várias provas e foi a 9.ª classificada da Classe 5 (Motos a 4 tempos até 350cc) no primeiro Troféu de Todo-o-Terreno.

Em 1993 vence pela primeira vez a Taça de Senhoras do Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno e é 11.ª classificada da Classe 5.

Em 1994 participa no Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno, com uma Honda XR 250, ficando em 12.º da classe 5. Nesse ano participa pela primeira vez numa prova do Campeonato de Todo-o-Terreno espanhol, a Baja de Alta Alcarria, obtendo o 5.º lugar na Classificação Geral, e na Baja de Aragon, prova da Taça do Mundo com 650 km de extensão.

Em 1995 participa no Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno em Kawasaki KDX 200, vence a categoria de Senhoras e classifica-se em 18.º da classe 4 (motos a 2 tempos com mais de 125cc). Nos anos seguintes continua a participar no Campeonato Nacional de Todo-o-Tereno e em provas espanholas, com Suzuki RMX250.

Em 1997 inicia-se em África ao participar no Rali da Tunísia com a Suzuki DR 350, onde obteve o 2.º lugar da Classe Maratona até 400cc.

Entusiasmada com o seu resultado no Rali da Tunísia, Elisabete lança-se nas provas do deserto, participando pela primeira vez, em 1998, no rali “Paris-Dakar”, numa Suzuki DR 650, mas abandona a prova na 7.ª etapa, devido a problemas mecânicos resultantes de uma preparação inexperiente.

Em 2000 obtém a grande vitória da sua carreira ao concluir o rali Dakar-Cairo, fazendo equipa com o piloto Mário Brás, em KTM Rallye. Classificou-se em 49.º lugar da geral e vence a Taça de Senhoras. Ainda nesse ano, faz a sua primeira experiência numa prova ao volante de um automóvel de Todo-o-Terreno, na Baja TT Optiroc, tendo como co-piloto a apresentadora de televisão Cecília Carmo.

Em 2001 participa no rali Paris-Dakar, em equipa com Pedro Machado, naquela que foi a prova mais dura da sua vida, após o seu carro de assistência, conduzido por José Ribeiro, ter explodido sobre uma mina na fronteira de Marrocos com a Mauritânia, Elisabete realiza ela própria todas as tarefas de assistência e terminou o rali em 56.º lugar da classificação geral. Ficou, nesse ano, em 13.º lugar na Taça do Mundo e foi 1.ª entre as senhoras. Ao longo desse ano, Elisabete participa na Copa Jimny, fazendo a sua iniciação à condução 4×4, com Teresa Correia como co-piloto, participa também de Jimny na Baja Esporão Vindimas, com a apresentadora de televisão Laura Santos como navegadora.

Em 2002 Elisabete não participa no “Dakar” e põe fim às suas corridas em moto.

Em 2003 participa pela primeira vez no rali Telefónica Dakar ao volante de um camião…

Em 2004 participa pela segunda vez de camião no Rali Paris-Dakar, chegando em 26.º lugar. Torna-se numa das primeiras mulheres do mundo a concluir este rali em camião.

Em 2005 volta a participar de camião no “Dakar”, com Olivier Jacmart e Rui Porêlo, classificando-se em 24º da geral. Participa pela primeira vez no Rali ASMV Shamrock e vence a categoria camião.

Em 2006 a partida do “Dakar” efectua-se em Lisboa, Elisabete faz a prova a um bom ritmo de andamento mas desiste devido a uma rotura do eixo da frente do seu Renault Kerax, que a obriga a passar dois dias e duas noites junto do veículo. Este fica imobilizado em pleno deserto da Mauritânia.

No Lisboa-Dakar de 2007, Elisabete Jacinto, no seu novo camião MAN M2000, ascende ao 21.º lugar da classificação geral e ao 7.º da classificação dos camiões com menos de 10 litros. Nesse mesmo ano, em que a sua cor laranja representativa da marca Trifene 200 é substituída pela azul da Oleoban, consegue um 2.º lugar da geral no rali da Tunísia e um 1.º no rali de Marrocos.

FOTO OLEOBON

Em 2011 classifica-se na segunda posição entre os camiões e em sétimo na classificação conjunta auto/camião no rali Africa Eco Race. Competiu lado a lado com o Team DeRooy tendo sido a 3.ª classificada e a 1.ª entre os camiões de série.

Em 2012 classifica-se em 2º lugar entre os camiões e é 4ª da classificação geral Auto/Camião no Rali Sonangol Africa Eco Race.

Já em 2013 Elisabete Jacinto completa a sua quarta participação no Rali Africa Eco Race classificando-se no 3º posto entre os camiões e em 7º da geral auto/camião.

Em Janeiro deste ano, 2014, Elisabete Jacinto, piloto da equipa OLEOBAN/MAN Portugal, terminou a 6.ª edição do Sonangol Africa Eco Race em 3.º lugar na sua categoria – Camiões e em 7.º lugar na classificação conjunta auto/camião – ficou a apenas 13 minutos do segundo classificado.

 Vê a sua Classificação no último rali no site html que se segue:

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=679025&utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+ddDesporto+%28Desporto+%7C+Di%C3%A1rio+Digital%29

Vê neste site http://www.tvi.iol.pt/videos/14060486 a interessante entrevista que Elisabete Jacinto deu nesta manhã, 5.ª feira – dia 16 de Janeiro 2014, na rubrica “A minha vida em fotos”, em que nos dá a conhecer a sua vida e algumas vivências da sua carreira profissional | TVI.

Trata-se de uma pequena síntese e algumas pistas que terás de aprofundar para conheceres as experiências, vivências e diferentes geografias que Elisabete Jacinto tem percorrido para seguir o seu sonho!

Conheçam o site oficial de Elisabete Jacinto que nos relata, de viva voz, as aventuras deste último rali.

http://www.man-elisabetejacinto.com/

 E ainda…

http://www.autohoje.com/index.php/tt-aventura1/videos/item/101834-elisabete-jacinto-na-africa-eco-race-2014

 Bom trabalho e até 5.ª feira onde as duas turmas se reunirão na Biblioteca Escolar para partilhar as suas descobertas!

Algumas CONDECORAÇÕES

Oficial da Ordem do Mérito (atribuída por Sua Ex cia. o Presidente da República Dr. Jorge Sampaio), 1999

Diploma de Mérito Desportivo (Federação Nacional de Motociclismo), 1999

Diploma de Mérito de Barca da Aldegalega (Junta de Freguesia do Montijo), 2000

Diploma de reconhecimento por serviços prestados (Região de Turismo da Costa Azul), 2000

Prémio Prestigio (Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting), 2005

22 de janeiro 2014 | Encontro com “Os Lusíadas” na voz do Ator António Fonseca

No próximo dia 22 de janeiro, pelas 10:15 e dirigida aos alunos de 9.º ano, a obra épica de Luís de Camões vai , pela segunda vez, ao Agrupamento de Escolas Coimbra Sul, pois no dia 7 de janeiro já estivera na EB 2,3 Dr.ª Maria Alice Gouveia. Desta vez, será na Biblioteca Escolar da Escola EB 2,3 de Ceira que a voz do ator e encenador António Fonseca entoará, em “falação” constante, excertos desta obra identitária de Portugal, introduzindo, de permeio e em diálogo com os alunos, comentários por vezes de forma satírica e humorística, e referências muito pertinentes e esclarecedoras dos significados e da contemporaneidade de “Os Lusíadas” com um sorriso encorajador a novos sentidos. Esta atividade é desenvolvida através da articulação entre a área disciplinar de Português e a Biblioteca Escolar.

Diapositivo1

Um ator sozinho em palco, a dizer Os Lusíadas de cor e salteado, é quase como um poeta a salvar o manuscrito das águas do Índico, depois de um naufrágio.
Faltam palavras para descrever o acontecimento que é escutar Os Lusíadas ditos. Mais do que a literatura, emerge a consciência de Camões, capaz de capturar um ponto de viragem da história de Portugal, o reinado de D. Sebastião, ao mesmo tempo que recapitula os pontos anteriores dessa história. António Fonseca faz acompanhar a récita do texto integral com histórias, comentários e referências que vão revelando os significados ocultos da obra e contextualizando o interesse e importância de Os Lusíadas hoje, no dealbar de mais um século.
Depois da estreia na Capital Europeia da Cultura, em Guimarães, e das apresentações no Centro Cultural de Belém e São Luiz, em Lisboa, Os Lusíadas chegam a Coimbra, onde António Fonseca começou por apresentar um a um os cantos do poema. A todos os cantos de Coimbra: os versos não serão ouvidos apenas n’O Teatrão. Dublin tem o seu dia de dizer Joyce e Espanha o dia de dizer Cervantes. Pois a Lusa Atenas terá semanas de Camões, um pouco por toda a parte.

A lenda de um Luís Vaz de Camões boémio e eterno apaixonado começa a contar-se por Coimbra, onde o poeta terá estudado os clássicos e sofrido as primeiras coitas de amor. Agora que o ator António Fonseca se prepara para dizer os dez cantos de Os Lusíadas, uma tarefa homérica, hercúlea e ciclópica, nada como recordar o lado humano tanto do poeta quanto do ator, que tornam tão impressionantes estas duas aventuras: a de escrever os 8816 versos de Os Lusíadas, e a de dizer de cor os 8816 versos de Os Lusíadas. O Teatrão, a SUL (em parceria com a Roughcut) e António Fonseca convidam toda a cidade para revisitar Os Lusíadas a partir de um ponto de vista muito diferente do habitual: o das pessoas comuns, que nunca leram senão algumas estrofes do poema. Por isso, começamos com uma série de visitas a tascas tradicionais de Coimbra, onde se podem comer petiscos os mais variados, entremeados com poesia, e seguimos com a apresentação de antologias do poema em escolas secundárias e na Casa da Escrita (numa parceria com o Centro de Estudos Camonianos da Universidade de Coimbra), para culminar no dia da récita com a participação no espetáculo de dezenas de amigos e espetadores, que vão dizer o último canto de Os Lusíadas em conjunto com o ator.

 in: http://www.oteatrao.com/em-cena/os-lus%C3%ADadas-em-coimbra-1/

Concurso Nacional de Leitura | Fase Distrital na BM de Arganil

RESULTADOS DA 1º FASE

A Biblioteca tem a alegria de anunciar os três alunos da Escola EB 2,3 de Ceira que passaram à 2º Fase deste Concurso promovido pelo Plano Nacional de Leitura em articulação com a Rede de Bibliotecas Escolares!

9º A/C | Ana Filipa Cortês

7º A/C | Rogério Amaral

7º B/C |  Ana Beatriz Vitor

Agradecemos a participação e o entusiasmo de todos os 18 Concorrentes, porque o importante é participar e ler…ler sempre mais!

A Equipa da BE

14 JANEIRO 2014| Concurso Nacional de Leitura | Resultados | 1ª Fase


RESULTADOS DA 1º FASE

A Biblioteca tem a alegria de anunciar os três alunos que passaram à 2º Fase deste Concurso promovido pelo Plano Nacional de Leitura em articulação com a Rede de Bibliotecas Escolares!

9º A | Maria Inês Serra

8º B | Maria Miguel Abade

8º C |  Nichole Bento

Agradecemos a participação e o entusiasmo de todos os 36 Concorrentes, porque o importante é participar e ler…ler sempre mais!

A Equipa da BE

%d bloggers like this: