Concurso “Há Poesia na escola?” | Os nossos Representantes

É com grande entusiasmo que damos a conhecer os poemas dos alunos apurados, por ciclo, para a grande final do concurso “Há Poesia na escola?” que terá lugar na Biblioteca Municipal de Coimbra.

Parabéns a todos os participantes que fizeram chegar até nós poesias maravilhosas fortalecendo assim, os nossos Elos de Leitura!

Os nossos finalistas são:

1.º Ciclo

O tesouro da leitura

A leitura

é como um céu estrelado

quando não lemos

fica nublado.

 

A leitura

é como um diamante

que se encontra nos livros

guardados num baú gigante.

 

A leitura

é como o vento a rodopiar

quando lemos muito

as ideias começam a esvoaçar .

 

A leitura

é como um pote de ouro

que se encontra nas histórias

fechadas numa arca do tesouro!

 

A leitura

traz-nos recordações

para sempre guardadas

nos nossos corações.

 

Joana Rodrigues Miranda, 4.º B

Escola do 1.ºCEB Bairro Norton de Matos

 

2.º Ciclo

POEMA

Está escrito nas estrelas que os portugueses deixarão a sua marca

De descobridores de meio mundo

De aventureiros corajosos

Que navegaram num mar muito fundo.

Um dos famosos navegadores

Foi o primeiro europeu

A defrontar o Adamastor

O seu nome era Bartolomeu.

No meio da sua tripulação

Tinha o marinheiro Perna de Pau e maneta

Que não concordava em ver

Bartolomeu querer o Adamastor enfrentar,

O Cabo das Tormentas dobrar.

E Bartolomeu fartava-se de lhe explicar:

-Este mar é meu

Por isso aqui quero passar

Nada me pode deter desde aterra ao mar!

Perna de Pau logo se apressou

A ir ter com o capitão:

_Aquele gigante de nome Adamastor

Mais rápido do que um condor

Aparece do meio do nada

Muito, muito apressado para nos destruir

E depois da nossa desgraça se rir!

Porque quereis este cabo dobrar?

_ Já vos disse que este mar quero passar

Não sou de desistir

Já por cá passei

Não o atravessei

E é isso que vou fazer

Por aqui ronda o mito

Adamastor nunca ninguém com ele se deparou

Mas quero ser eu a concretizar esse feito!

Quando o olhar nos olhos

Vou ficar a ser conhecido:

O navegador que dobrou o Cabo das Tormentas

Os mitos e lendas defrontou

E este mar atravessou!

 

Carolina Dias Duarte, nº5, 6º C

EB 2,3 Dr.ª Maria Alice Gouveia

 

3.º Ciclo

Ensaios sob céus soturnos e espetrais…

Sob céus soturnos e espetrais

Nasce um torpor nos meus recantos

Recôndito onde a lucidez não chega nunca mais

Ecoam lá de fora longínquos e fúnebres cantos

 

Sob os ditos céus, um compartimento…

Um quarto lúgubre e de gasta estética

Formas e figuras observam o meu desalento

Movendo seus negros olhos de forma frenética

 

Silhuetas lá fora também atormentam o quarto

Valsam glorificando o medo e o devaneio

Delas nem me canso nem farto

Até a traiçoeira Lycaste assombrar o meu canto veio

 

Todos estes tumores da criação “divina”

Vieram em concílio pelo meu espetro

“A vasta negrura nos atrai”disseram “Imagina”

Para quê os crucifixos e o “vade retro”?

 

Mas já os anteriores cantos funéreos anunciaram

Uma morte alheia e local

Os sinos na penumbra badalavam

E penetrava nas feridas da alma o sal

 

Pois o consílio mortuário não se reunira por mim

Mas para o festejo do defunto…sim

Confiar em visões nunca mais

Sob estes céus soturnos e espetrais

 

Oleksandr Narovatkin, 18, 9.ºE  

EB 2,3 Dr.ª Maria Alice Gouveia

 

 

 

 

Anúncios

Uma resposta

  1. muitos bons poemas adorei!!!!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: